sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

HISTÓRIA DO CARNAVAL DE TORRES - Breve Apontamento

Os primórdios

(A Primeira Fotografia do carnaval de Torres - 1911)

A primeira referência a brincadeiras de carnaval em Torres Vedras data do tempo de D. Sebastião, num documento datado de 1574.Trata-se de uma queixa de Jerónimo de Miranda, morador na Vila de Torres Vedras contra uns "moços folgando com um galo” no dia do Entrudo e que provocaram uma briga.

Só com o aparecimento da imprensa local, em 1885, surgem as primeiras referências ao Carnaval de Torres, geralmente referido como “desengraçado” e “sem espírito”. Durante anos o carnaval de Torres limitou-se aos bailes e récitas nas colectividades e em casas particulares, quase sem nenhuma animação de rua, excluindo um ou outro grupo de mascarados desfilando numa ou noutra carruagem enfeitada.

No início do século XX o carnaval continuou a viver apenas da animação nas colectividades.

Nesta ocasião as colectividades realizavam-se "cançonetas",comédias, revistas teatrais e récitas, com temas adequados à quadra e bailes de máscaras.

Em 1901 o carnaval incluiu uma novidade, a primeira exibição do "animatógrafo" em Torres Vedras, no Grémio, segunda feira de carnaval, dia 25 de Fevereiro .

Não foi o assassinato de D. Carlos, em 1 de Fevereiro de 1908, que impediu o carnaval desse ano, realizado menos de um mês após a tragédia, de ter sido o mais animado e mais político dos até então festejados em Torres Vedras, o que talvez revele a influência dos republicanos na recuperação do carnaval de rua.

Com o advento da Republica o carnaval de rua, em Torres Vedras, começa a adquirir maior animação.

1912 parece ter sido um ano crucial, referindo-se “A Folha de Torres Vedras” à importância do programa então elaborado pelas colectividades da terra (Casino, Grémio, Tuna e “Salão-avenida animatographo”),que deu ao carnaval desse ano uma animação “extraordinária, superior à dos anteriores (...)”,tendo-se até formado uma comissão para animar as ruas que, acompanhado da filarmónica ("Torreense"?), o fez pedindo donativos “para distribuir na terça-feira um bodo aos pobres”.Também para os dois dias de carnaval foi organizada, pela classe dos tanoeiros, uma aparatosa mascarada, executando"graciosas danças", sendo ainda muito comentado um grupo de mascarados que surgiu na terça-feira parodiando as tropas contra-revolucionárias de Paiva Couceiro(que no ano anterior tinha ensaiado uma primeira tentativa de restauração da monarquia) “arrancando as gargalhadas a toda a gente, pela graça e sobretudo pela cópia fiel dos aguerridos paivantes de mantas às costas e marmitas e entre os quais se viam policias, guardas municipais, muitos padres e jesuítas”.

Quem sabe se não terão sido estes os antepassados das “tropas” que ainda hoje costumam acompanhar o cortejo "real","ministros" e"matrafonas".

Esta manifestação chegou mesmo a merecer destaque nas páginas da "Ilustração Portuguesa", onde se publicou aquela que é a mais antiga fotografia conhecida do Carnaval de Torres.

Até aos anos 20,o carnaval torriense continuou em dispersas, variadas e espontâneas actividades: enfarinhar o cabelo das raparigas, atirar saquinhos de grainha, tremoço seco e farinha,"assaltos" em grupo a casas particulares, alguns grupos de rapazes percorrendo as ruas em trens abertos, carroças e galeras (de tracção animal), umas burricadas e a visitas a colectividades locais.

A invenção do Carnaval de Torres (1922/23 – 1926)

Em 1922, um grupo de mascarados percorreu as várias colectividades da então vila de Torres Vedras, fazendo a ligação entre o tradicional carnaval das colectividades e o carnaval de rua.

O êxito dessa iniciativa levou à formação, no ano seguinte, de uma comissão para estruturar melhor o carnaval de 1923. Neste, imitando o que se fazia em Coimbra e em Lisboa, realizou-se a primeira recepção, na estação ferroviária, ao Rei do Carnaval, então ainda sem a companhia da “rainha. Seguiu-se um cortejo carnavalesco que, saindo do pátio de Francisco Alves, percorreu todas as colectividades da vila.

“Nascia” assim o carnaval de Torres.

No ano seguinte, o rei "D.Carnaval II" foi esperado na estação do caminho de ferro, recebido por um "esquadrão de cavalaria e burraria" e por um "batalhão de marinheiros de água doce", "ministros" e "embaixadores". Foi ainda recebido por vários coches, de entre os quais se destacou um com os "altos dignatários", como o "cardeal", "o bispo", o "cónego", e o "acólito". Esta paródia a elementos da Igreja foi posteriormente abandonada, quer devido a pressões políticas, quer pelo facto de, em dois anos sucessivos, aqueles que se disfarçaram de cardeais terem falecido, o que contribuiu para a superstição, todos se recusando, daí para a frente, assumir essa máscara.

O cortejo seguiu depois em visita às sociedades de recreio, tendo lugar um banquete de gala no Hotel Natividade. À tarde realizou-se um desafio de futebol na Porta da Várzea. As festas terminaram no "Grémio Artistico e Comercial" com o baptismo do príncipe real e a presença, pela primeira vez da "rainha", desde logo representada por um homem, Jaime Alves, costume que se manteve até aos nossos dias.

Este torriense foi “ a rainha” que reinou durante mais anos, até ao início dos anos 50, acompanhado no trono, durante as três primeiras décadas de Carnaval de Torres, pelo “rei” Álvaro André de Brito. Este “reinado” foi apenas interrompido em 1940, fazendo de rainha Gil Lopes.


É neste período que surgem as célebres “matrafonas”, ainda hoje imagem de marca do Carnaval de Torres.

Anos 30 e 40


Durante os anos de 1927 a 1929 o carnaval de rua organizado conheceu a sua primeira interrupção. Estávamos nos primeiros anos da Ditadura Militar do 28 de Maio, facto que não terá sido alheio a esse interregno.

Em 1930 o Carnaval de Torres regressa às ruas e, no ano seguinte, tem lugar a primeira “batalha de flores”, em recinto fechado e pago, realizando-se o cortejo num único dia, na segunda-feira de carnaval, com desfile de carros alegóricos particulares e de firmas comerciais

O ano de 1933 foi o da afirmação e projecção a nível nacional do Carnaval de Torres, com participação financeira da câmara municipal e uma vasta campanha de propaganda na imprensa nacional, alargando-se o desfile para dois dias e às ruas Tenente Valadim e 9 de Abril. Estiveram presentes mais de 20 mil pessoas. Também pela primeira vez foi atribuído um prémio para o carro de carnaval mais original.

Neste ano, os "reis" chegaram de comboio, na manhã de 2º-feira, lendo-se, na ocasião, um discurso de recepção real, da autoria de Domingos Lino. Para os saudar, as janelas foram engalanadas com colchas.

A Segunda Guerra provocou um novo interregno destes festejos a partir de 1940.

Nesse ano de 1940 estavam proibidos os festejos de carnaval, por causa da guerra. Para tornear mais esse obstáculo, constitui-se uma comissão formada por um representante de cada colectividade (Tuna, Grémio, Operário, Casino e Sporting Club de Torres) que pediu ao presidente da Câmara para autorizar a realização do tradicional carnaval de Torres. Este autorizou-o, desde que não se fizesse propaganda, para não chegar ao conhecimento das autoridades de Lisboa, e foi assim que o carnaval de Torres ainda se realizou esse ano.

No ano seguinte, 1941,ensaiou-se o mesmo estratagema, desta vez sem êxito, devido à pressão das autoridades, mantendo-se a proibição no ano seguinte.

Em 1943, apesar da proibição do carnaval de rua, este regressou às colectividades, no Grémio, no Operário, na Tuna e no Casino. Nestas duas últimas colectividades exibiu-se a "Orquestra Sulfidrofónica", diversão musical formada por alunos da Escola Secundária Municipal de Torres Vedras. No Casino chegou mesmo a realizar-se uma recepção ao rei carnaval e reviveu-se o célebre corso, com desfile de “carros” e o tradicional discurso de carnaval..

Anos 60 – O Carnaval de Torres afirma-se


Logo em 1946 retomou-se a tradição do carnaval de rua, constituindo-se uma comissão que levou a efeito a evocação da Iª Visita do Rei Carnaval a Torres Vedras. Os Reis de Carnaval foram recebidos e aclamados quando da sua chegada à estação de caminho de ferro, organizando-se um vistoso cortejo, que, percorrendo as ruas da vila, visitou as colectividades recreativas, a cujas direcções SS.MM. apresentaram os seus desejos de muita alegria, durante os três dias que lhe eram consagrados.

Mas foi só em 1950 que se organizou um cortejo com as dimensões da fase anterior. Em 1951 tomaram posse os novos "reis" do carnaval, Levy Miguel dos Santos (o "rei") e António Agostinho ("a rainha").

Contudo, em 1953 o carnaval sofreu nova interrupção e, apesar de se ter realizado em 1955, só a partir de 1960 conhece um novo alento.

Realizando-se em 1959 uma reunião magna no Teatro-Cine para relançar o Carnaval de Torres, formou-se uma comissão que, apoiada na estrutura organizativa da Física de Torres, recuperou, em 1960, o cortejo de rua que teve lugar durante dois dias, agora ao Domingo e à terça-feira.

Nos anos 60, a chegada dos reis do carnaval passou a efectuar-se no Domingo de manhã, na estação de comboios, sendo recebidos com o discurso do “primeiro-ministro”. Nos anos 90 acrescentou-se a essa cerimónia a entrega, pelo Presidente da Câmara, da chave da cidade à comitiva real.

Os discursos de carnaval, proferidos pelos sucessivos “primeiros-ministros” em honra à comitiva real, como acto de abertura oficial do Carnaval de Torres, tornou-se uma ocasião especial para fazer crítica social e política, especialmente interessante nos anos 60, quando a censura ainda dominava.

É neste período que surgem os “Zés Pereiras”, os quais, acompanhados dos gigantones e dos cabeçudos, se tornaram uma presença obrigatória no Carnaval de Torres até aos nossos dias. É então também que surge a “Pandilha”, presente pela primeira vez em 1948, que, percorrendo as colectividades locais, aproveitava a ocasião para fazer crítica social e política, o que lhes acarretou alguns problemas com as autoridades.

Facto inédito foi a visita feita ao "rei" do carnaval de Torres, no carnaval de 1970, por um segundo "rei" ("D.Rachadinho I", rei da "Brejenjolândia" d` àlém sizandro) que, chegando ao aero-clube de Santa Cruz com a sua corte, se encontrou com o de Torres para a "Assembleia ANU" (Assembleia dos Naturais do Universo), que teve lugar no Campo do S.C.U.T. no Sábado Gordo.

Deste período, nas décadas de 60 e 70, há que recordar João Maria Brandão de Melo, rei do carnaval durante 25 anos, desde 1966, e que "abdicou", em 1990, a favor de seu filho Bruno Brandão de Melo, representando o primeiro caso de sucessão dentro da mesma família, ou José Manuel Abrantes, "rainha" durante 19 anos, até 1991, "a" "rainha" mais bonita de sempre", tendo enganado muitos incautos , que "a" perseguiam julgando que era mesmo uma mulher. Ao abdicar a favor de António Manuel dos Reis (Mima), tornou-se na primeira “rainha mãe” da história do Carnaval de Torres.

Até 1974 o carnaval só conheceu uma interrupção em 1963 e 1964, por imposição das autoridades, por causa da “guerra colonial”.

Luís Brandão Pereira de Melo foi um dos principais responsáveis pelo relançamento do carnaval nos anos 60, período no qual se destacou a arte de um Luís Faria.

Finalmente a Liberdade


As liberdades conquistadas a 25 de Abril prometiam uma nova expansão do Carnaval, pois esta quadra sempre se deu mal com ditaduras e autoritarismo.

Lamentavelmente, as lutas políticas que se seguiram àquela data e a afirmação de um novo tipo de “ditadura”, a económica, quase acabaram com o Carnaval de Torres.

Este não se realizou em 1975, e só em 1978, com a formação de uma comissão de carnaval, patrocinada pela Câmara Municipal e pela respectiva comissão de turismo, regressou às ruas de Torres.

Em 1983 e 1984 o carnaval passou por um novo período difícil, sofrendo um grave rombo orçamental em 1983 e interrompendo a sua realização em 1984, devido às graves consequências, para a região, das inundações do inverno de 1983.

É então que a vereação da cultura e turismo, presidida por António Carneiro, tomou nas suas mãos a decisão de se responsabilizar pela organização do evento, transformando-o num dos principais cartazes turísticos da região.

O carnaval de 1985 marcou assim um novo e definitivo arranque do Carnaval de Torres, iniciando-se aí aquela que é a sua fase actual. A partir de 1988 a sua organização passou a obedecer a uma temática unificadora, que, ao longo dos anos, foi passando do recinto do corso para todas as entidades envolvidas na animação daquela quadra : bares, desfile das escolas, grupos espontâneos de mascarados.

A partir dos anos 90 o desfile de todos os alunos das escolas do concelho mascarados, na Sexta-feira antes do Carnaval, tornou-se num dos pontos altos da festa, generalizando-se a formação de grandes grupos de mascarados que percorrem colectividades, discotecas e bares durante esses dias, e que animam ainda os corsos diurnos e, desde 1995, o corso nocturno de Sábado.

Mais polémico foi a criação, neste ano, do carnaval de Verão, que se realiza em Santa Cruz.

Actualmente a sua organização é da responsabilidade de uma empresa municipal.

Este período mais recente fiou marcado pela qualidade dos carros alegóricos imposta pela arte de José Pedro Sobreiro, que fez escola e teve excelentes seguidores em vários artistas locais que colaboram na imagem iconográfica do Carnaval, com destaque para António Trindade, António Travanca e Sarzedas. Actualmente deve-se à empresa Gulliver a responsabilidade pela arte oficial do carnaval.

O Carnaval e a Máscara


O uso de máscaras é um dos elementos mais característicos do Carnaval. As máscaras tradicionais eram feitas de vários materiais, tais como a madeira, o couro, a lata, a cortiça, o cartão, materiais recentemente substituídos pelo plástico ou pela fibra de vidro.

Contudo, um mascarado não se esgota no disfarce do rosto, antes completa-se com um traje, mais ou menos adequado.

A notícia mais antiga sobre o uso de máscaras carnavalescas em Portugal data de um alvará de 20 de agosto de 1649, que proibia ”andar a pé pelas ruas, embuçado, com chapéu ou sem ele e assistir com bioco nas igrejas”. Diz-se que esse costume seria mais antigo, pois rezam as crónicas que D. JoãoII teria comparecido ao casamento do filho mascarado.Com a Inquisição, usar máscaras tornou-se uma heresia e atirou muita gente para a fogueira. Só nos finais do séc. XVIII as máscaras voltaram a fazer a sua aparição, principalmente nos majestosos bailes da corte absolutista de D. João V.

Uma das mais famosas máscaras do carnaval português foi o “Xéxé", surgido em Lisboa, após a vitória liberal, cuja máscara ridicularizava os miguelistas, também conhecido por “peralta”, ”salsa” ou “pisa-flores”, o “xéxé” envergava, invariavelmente, uma casaca de muitas cores, sapato de fivela, cabeleira de estopa, punhos de renda e um imenso chapéu bicorne com uma inscrição mais ou menos obscena. Usava, além disto, um bastão rematado por um chavelho, uma faca enorme e uma luneta”.

As Máscaras no carnaval de Torres


Na sua já longa história, houve máscaras que se distinguiram no Carnaval de Torres, umas assumidas individualmente, outras em grupo.

De entre as primeiras destacou-se a imaginação de Edmundo Carnide que, nos anos 30, vestido de bôbo, percorria o país a fazer propaganda ao carnaval ou, mais recentemente um Stélio que, vestido de polícia, “desorganizava” o trânsito das ruas do côrso, máscara que continua a aparecer por iniciativa de um neto seu.

De entre as segundas, o destaque vai para as “Matrafonas”, imagem de marca do Carnaval de Torres, homens mascarados de mulheres. Esses grupos de “matrafonas” surgiram por iniciativa de “indivíduos que vestiam um fato de mulher - mas que não ficava bem a senhora nenhuma. Procuravam era vestir um fato que lhes ficasse horrivelmente mal e feio. Por exemplo, não se usavam colares encarnados, pois ele procurava era arranjar um colar encarnado; não se usavam toucas na cabeça, pois ele procurava era arranjar uma touca horrivelmente mal feita para ir para a rua”.

O costume de os homens se mascararem de mulheres já existia nalgumas aldeias do concelho, onde os homens do campo, com poucas posses, recorriam às roupas velhas das mulheres e a caraças feitas de caixas de sapato para se mascararem, de forma barata, durante o entrudo.

Aparecem referenciadas pela primeira vez em 1900, integradas numa “dança vinda de Runa e em que figuravam em travesti de bailarinas uns perfeitos mocetões, um dos quais” comentava a imprensa da época, “até impressionou vivamente dois amigos nossos”.

O "travesti" é uma das máscaras mais características e populares do carnaval. Época de transgressão, de violação das fronteiras e regras sociais, a inversão de papéis tradicionais, nomeadamente os domésticos, entre homem e mulher, é dos mais comuns.

Nas primeiras descrições conhecidas do carnaval de rua em Torres Vedras aparecem sempre referências a outros grupos de mascarados, que se têm mantido até aos nossos dias, como os “ministros” ou os “militares” que acompanham o cortejo real.

Outro grupo que integrou os festejos carnavalescos ao longo de muitos anos foi a " Pandilha". Criado provavelmente em 1948 e, tomando o nome de um outro agrupamento mais antigo, manteve-se em actividade até 1990, sempre com a mesma composição do início, sendo um bom exemplo das tradicionais cégadas. Em todas as noites das segundas feiras de carnaval , este grupo percorria as colectividades locais, onde se realizavam os bailes de carnaval e criticava ou gozava com as situações que marcavam a vida torriense, através das suas rábulas : “eram para aí uns 20 ou 30 que deliciaram as mentes pérfidas torreenses que adoram gozar com a desgraça alheia”. Kropotkine Vicente dos Santos foi o grande dinamizador da "Pandilha", da qual se destacaram também Jucelino Batalha, Stélio Justino Batalha, Francisco Porfírio (o "Chico da Bola"), Fernando Leiria, Augusto Cândido, Carlos Alberto Miranda, Jorge Ferraz, Pedro Calado e Luís Manuel Correia ("Corneta"),entre outros.


Actualmente, um dos momentos altos do carnaval torriense tem lugar na Sexta-feira que antecede o Entrudo com o desfile de máscaras pelas ruas da cidade, onde participam milhares de alunos das escolas e jardins de infância do concelho, costume que se iniciou em 1991, quando a Escola Secundária Madeira Torres promoveu um concurso de máscaras por turmas, para desfilarem pelas ruas da cidade naquele dia da semana.

CABEÇUDOS; GIGANTONES E ZÉS PEREIRAS


Carnaval sem cabeçudos, gigantones e “zés pereiras”, não é carnaval, povoando o imaginário infantil de muitas gerações de torrienses, que provam os seus medos pela forma como, durante o carnaval, enfrentam tão ilustres personagens.

Inicialmente apenas desfilavam os gigantones e cabeçudos, como aconteceu em 1935, quando desfilaram pelas ruas 50 cabeçudos e gigantones, da autoria do artista Celestino Muñoz.

A construção de tão simpáticos personagens foi um dos meios onde se revelou a imaginação dos artistas torrienses, sendo inicialmente fabricados em papelão e gesso.

Quanto à temática dessas figuras tradicionais do carnaval torriense, tem havido a preocupação de abranger um leque variado de temas desde a fantasia pura e simples à crítica social e política, passando pelos temas clássicos (mitologia).

Desde os anos 60 que desfilam acompanhados pelos "Zés Pereiras", com os seus bombos e gaitas-de-fole.

Sexta-feira à noite costuma ter lugar, no largo da estação , a recepção aos "Zés Pereiras" que, acompanhando com os seus bombos os cabeçudos e os gigantones , iniciam o seu desfile pelas ruas da cidade, tarefa que executam incansavelmente até ao início da noite da Terça-Feira Gorda.

OS CARROS DE CARNAVAL


Até aos anos 20, o carnaval torriense consistia em dispersas, variadas e espontâneas actividades como enfarinhar o cabelo das raparigas; atirar saquinhos de grainha, tremoço seco e farinha, "assaltos" em grupo a casas particulares, umas burricadas e a visitas a colectividades locais. Alguns grupos de rapazes percorrendo as ruas em trens abertos, carroças e galeras (de tracção animal) estão na origem da construção dos carros que hoje constituem o atractivo principal do côrso carnavalesco.

Durante os primeiros desfiles de rua organizados, os carros alegóricos eram de particulares ou de casas comerciais. Alguns dos mais criativos carros de carnaval de Torres foram os que desfilaram nos anos 30.

Em 1931, num dos primeiros desfiles em recinto fechado, destacaram-se no desfile alegórico desse ano o carro de Raul Rocha, de reclame à sua casa fotográfica, o carro de Rocha Peixeiro e Miguel Mendes, o carro de João Rufino dos Santos, um grande sapato propagandeando a sua Sapataria 1º de Dezembro, o carro das ceifeiras, o carro de Souza e Manarte, um enorme bacalhau, o carro de João Henriques dos Santos com os cinco diabos, o carro do vinho, o carro da casa Leão. Alguns desses carros foram da responsabilidade de Amílcar Guerreiro

Em 1932 ficaram famosos carros como “A Concha”, ”O Golfinho", ”a Lira”, ou o carro real, da autoria de Celestino Muñoz, uma“Quadriga Romana”.

Uma das novidades do desfile de 1933 foi a atribuição de um prémio para o carro mais original ganho pelo carro “Taça de Champagne”. Aliás, nesse ano apareceram alguns dos carros mais originais de sempre, como o“Ovo", da autoria de Faustino Antolin, o “Penedo do Guincho”, feito por Luís Faria e propriedade de José Joaquim Miranda ou o célebre “Elefante” como carro do rei, ou ainda o"Couraçado", o "Moinho Holandez", "O Peixe" de A.Rocha, o "Campo de Aviação de S.tº Cruz" de Raul Rocha, "o Cesto" de do Dr. José de Bastos, o "Cesto de Flores" de Jacinto Custódio Rodrigues, o "Barco de Pesca", o da "Festa na Aldeia", o "Comboio Mistério", todo particulares, bem como carros de cariz publicitário, como o carro da Casa Hipólito, "minhotas", o carro reclama da "Horta Nova", de J.A.Lopes junior (um grande garrafão) ou o carro reclame de produtos "banacáo", sendo ainda de destacar o expontâneo grupo de bicicletas “mascaradas”. Muitos dos temas dos carros deste ano marcaram, durante anos, o estilo de outros desfiles.

Dos carros alegóricos de 1935 é de recordar a "quadriga romana", carro dos reis, feito por Celestino Muñoz, coadjuvado por José de Castro Marvão," a concha" puxada por golfinhos que era o carro dos príncipes, tal como existiam os carros das damas de honor ,dos jornalistas e da aviação. De recordar também o "ninho de cegonhas", a “lira” da Tuna, o "circo Malcheiroff”, o "cantar da sereia", o "carro dos pirolitos", o "ferro de engomar", a "banheira e bacio ",carro de reclame das "baterias philco", o " carro das borboletas", ou a "Tôrre de Belém", entre muitos outros carros.

Em 1936 foram introduzidas algumas novidades: pela primeira vez é proposta a participação das freguesias do concelho, que podiam apresentar um carro de carnaval cada uma. Por outro lado, a comissão dos festejos comprometia-se a comparticipar em 30% das despesas para os carros particulares, e estava disposta, no caso da receita chegar, em elevar o subsidio até 50%.

Em 1951 apareceram sete carros da comissão e vários particulares ou comerciais , destacando-se os seguintes : "Astrólogos e fadas", "Marroquinos", "A Torre de Belém", "A Galé do Pirata", "A Arca de Noé", "Os Cegonhas", "O Mafarrico", "O Coreto de saudosa memória", "A lanterna da incandescência a iluminar o mundo"(da Casa Hipólito) , "a bomba da trasfega"(da casa "FAS"), "A Cerâmica do Outeiro", "O Carro eléctrico" da "Companhia dos carrinhos de Linha de Torres" e o "Trenó", carro real

Para o carnaval de 1966 realizou-se pela primeira vez um concurso público de desenhos de carros alegóricos ,com o objectivo de "elevar o nível artístico dos carros participantes no corso, de modo a situá-lo mais de harmonia com a extraordinária projecção já atingida", e, ao longo dos anos 60, a confecção dos carros tornou-se mais profissionalizada, dispondo a comissão de carnaval de umas oficinas gerais na Fonte Nova, sob a direcção técnica do mestre Heitor e do construtor José Moleiro .

Os carros alegóricos passaram a ser fabricados nos estaleiros de "Arenes" desde 1981.Actualmente os carros oficiais são fabricados pela empresa Guliver, mas têm aparecido vários carros elaborados por espontâneos, freguesias ou escolas

O material de base , para construção dos carros passou então a ser constituído por madeira de pinho, esferovite, gesso, aglomerados e tinta. Antigamente a estrutura dos carros assentava em galeras de rodado de madeira. Actualmente e desde 1987, assentam em chassis feitos de propósito.

Os primeiros carros eram puxados por juntas de bois. Hoje é destacada uma frota de tractores para os puxarem pelas ruas do côrso.

ICONOGRAFIA

 
Quase oito décadas de Carnaval torriense contribuíram para a criação de registos iconográficos de grande valor artístico que infelizmente nunca foram conservado convenientemente.

Cartazes, folhetos, esboços, para propaganda ou de apoio à actividade criativa ligada ao carnaval (decorações, carros, cabeçudos...), revelam-nos a faceta de grandes artistas locais que sempre deram o seu contributo para tornar o Carnaval de Torres uma arte.

Nesta arte distinguiram-se, nos anos 30, artistas como Amílcar Guerreiro ou Celestino Muñoz

Talvez o mais famoso de todos, Amílcar Guerreiro, natural de Torres Vedras, onde nasceu em 1907, falecido em Lisboa em 1982 , artista plástico, foi o autor de vários carros, decorações e do logotipo do carnaval de Torres. Profissional ligado à fotografia, trabalhou no Brasil durante a segunda guerra, tendo aí colaborado com escolas de samba.

Mestre Heitor, Luís Faria e José Afonso Torres foram os artistas que marcaram os anos 60.

Destes, destacou-se o pintor Luís Faria. Nascido em Lisboa em 1899 e falecido em Torres Vedras em 1966, era o artista responsável pelo restauro de igrejas e capelas do concelho de Torres Vedras e esteve ligado ao Carnaval torriense desde os anos 30, sendo o responsável pela criação de alguns dos mais fabulosos carros do carnaval de Torres.


Nas décadas mais recente têm-se destacado artistas como José Pedro Sobreiro, António Trindade, Travanca da Costa, Efrem Faria ou os irmãos Sarzedas.

O ENTERRO DO ENTRUDO

A "Quarta-feira de Cinzas" marca o final do Entrudo e o início da Quaresma e a esta ocasião estão ligadas várias cerimónias, entre elas a do o “enterro do Entrudo

Ainda no século XIX este dia era ocupado, em Torres Vedras, com a Procissão das Cinzas, organizada pela Ordem Terceira de S. Francisco que a isso se obrigava por compromisso declarado no "breve" dessa instituição , datado de 21 de Novembro de 1676.

Com 9 andores, muitos "irmãos", uma filarmónica (durante anos a "Phylarmonica Torreense"), gente da vila e arredores, e uma guarda de honra com forças militares destacada para Torres Vedras, todos os anos, por essa ocasião, a procissão percorria o Largo de S.Tiago, a "rua da olaria", a do "Espírito Santo", a praça municipal, a rua de S.Pedro , a "travessa dos canos", as ruas "de trás do Açougue" e dos "celeiros”.

Bem diferente é a "procissão" que actualmente tem lugar em Quarta-Feira de cinzas.

Com origem nos tradicionais "enterro do entrudo" e "serração" da velha” muito referenciados na região Oeste, o enterro do carnaval já por cá se fazia pelo menos desde 1908.

Este costume realizava-se regularmente nos anos 30, quando se fazia um desfile pelas ruas da então vila, à luz de archotes, terminando no Largo de S. Pedro com a leitura do testamento do "defunto", realizando-se depois o "auto de fé" onde se queimava um boneco que o representava.

Hoje o enterro do carnaval, mantendo as mesmas características, conta com um maior aparato pirotécnico, realizando-se na Várzea, acompanhado da respectiva "viúva" e da leitura do testamento, com referências jocosas à vida social e política do concelho.

Sem comentários: