terça-feira, 28 de julho de 2009

quinta-feira, 23 de julho de 2009

FICHAS DE BIBLIOGRAFIA VEDROGRÁFICA - "Guia das Aguas Mineraes dos Cucos"


Título: Guia das Aguas Mineraes dos Cucos.
Autor: vários.

Ano: 1892.
Edição:Typ. Da Companhia Nacional Editora.
Local: Lisboa.
Preço: 300 réis.
Nº de páginas: 168.
Tiragem: não indica.

Gravuras: “Planta Chorographica dos Cucos…”; “Vista do edifício balnear e annexos” ; “Planta das Piscinas…”; “Planta do 1º Andar”; “Vista geral do Valle dos Cucos”; “Rede Ferroviária de Portugal”;
Fotografias: Nenhuma.
Gráficos: “Composição das aguas do Valle dos Cucos”(pág 33).

Tema: Trata-se de um guia das Termas dos Cucos, com referência às suas qualidades terapêuticas, uma descrição histórico-patrimonial do lugar, depoimentos de doentes , e regulamento dos serviços.
Capítulos: Iª parte – Relatório Médico [da autoria do Dr. António Manoel da Cunha Bellem e Dr. Guilherme José Ennes]: “As Aguas Minero-Medicinaes dos Cucos” – I – No local; II – Natureza das àguas; III – Acção das águas e das lamas; IV – “Analyse Chimica”; V – Indicações VI – “O que é certo e o que há a esperar” (com referência ao efeito sobre várias doenças); VIII – Lamas; VIII – “Transportabilidade”; X- Estação de Inverno; Conclusão.
IIª parte – “Os Cucos Descriptivo” [da autoria de António Jorge Freire]: Os Cucos – Sua situação e natureza do solo: história; Nascentes; Os edifícios; Descripção dos Pisos; Reservatórios; “Os Cucos, considerados como estação de saúde e recreio”; cidades e vilas [da região]; Torres Vedras.
IIIª parte – Abonações: Alguns doentes que têm feito uso das aguas e resultados obtidos; Cartas, attestados e declarações.
IVª parte – Regulamento [por José Gonçalves Dias Neiva].
Tabella de Preços .

Gravuras antigas dos Cucos - "Guia das Aguas Mineraes dos Cucos"





segunda-feira, 20 de julho de 2009

A História das Termas dos Cucos





A História das Termas dos Cucos

1 - O Dia da Inauguração

Quando, em 15 de Maio de 1883, teve lugar a inauguração solene do Estabelecimento Termal dos Cucos, virava-se uma página decisiva na história do Termalismo português e concretizava-se um sonho de gerações de torrienses. Essa cerimónia marcaria ainda a realização da última obra arquitectónica de vulto de toda a história do Concelho de Torres Vedras.
Nesse dia "despontava a aurora aos sons da magnífica philarmonica de Torres, celebrando em Machêa, residência do sr. Neiva, o alvorecer d'este memorável dia, que se marcava uma data importante nos fastos do Concelho com uma obra arrojada de verdadeiro interesse público, devido à iniciativa de um só homem, mais gloriosamente assignalava um facto humanitário, destinado a levar o alívio e a saude há humanidade que sofre. “Resolvera o sr. Neiva não festejar a inauguração, limitando esta a uma pequena festa familiar, reduzindo o programma à benção da lapide commemorativa, e levantamento da bandeira do estabelecimento.
“Por seu lado a villa de Torres preparava-se, ja ha muitos dias, para solemnizar não só a abertura das Thermas, mas para dar áquelle cavalheiro um público testemunho de consideração pelo assignalado serviço, que vinha de fazer ao concelho. “(...). "O primeiro acto foi a benção relegiosa das Thermas, dada (...) pelo reverendo prior de Matacães(...)."A benção celebrou-se às 5 horas da manhã.
"Ás 9 horas voltava o sr. Neiva, acompanhado dos seus amigos particulares, os srs. António Diogo da Silva e José António Ferreira. Já então se achavam na praça das Thermas muitos cavalheiros de Torres, entre elles o digno presidente da camara, a philarmonica, que acolheu o humanitario proprietario com um hymno expressamente composto em sua honra, e muito povo. Todo o pessoal graduado e menor do estabelecimento recebeu aquele cavalheiro ao fundo da escada principal, e seguindo-o até à sala da copa onde elle descobriu a lapide commemorativa, occulta com uma coberta de damasco. Depois executou-se a ultima parte do programa , içando-se a bandeira do estabelecimento, saudada por enthusiasticos palmas de toda a multidão presente, pela musica e por uma grande girandola de foguetes. Findou esta cerimónia com a leitura do auto [da benção e da inauguração do estabelecimento dos Cucos] em seguida assignada pelos cavalheiros que d'elle constam (...).
"Em todo o dia 15 se conservaram abertas aos visitantes as portas do edificio, sendo necessario, durante seis horas consecutivas, estabelecer a visita por turmas de 50 individuos para a facilitar, (...).
"Em Torres o contentamento e a alegria eram geraes, e á noite, quando sr, Neiva ahi foi para assistir á recita e baile, que os cavaleiros da nobre villa lhe dedicaram, esperava-o uma das mais solemnes e imponentes manifestações, que temos presenceado. Tudo quanto esta terra tem de distinto o aguardava á entrada com archotes acessos, acompanhando-o com a música atravez das ruas de transito do cortejo, todos illuminados, até ao club. Mas, não foram sómente estas ruas, até ás mais modestas habitações se estendeu esta manifestação de regosijo!" [1].
António Jorge Freire, o entusiasta autor destas linhas, foi o responsável pelo estudo, traça e direcção das obras das Termas dos Cucos, a ele se deve o estilo característico dos edifícios aí construídos. A João José Alves foi confiado o cargo de mestre de obras. Mas esse 15 de Maio de 1983 foi o culminar de uma longa história de ocupação humana e aproveitamento termal de uma das mais belas zonas naturais do concelho de Torres Vedras.

[1] FREIRE, António Jorge, in Annaes das Thermas dos Cucos – Relatório da Época Balnear de 1893, T. Vedras, 1893, pp. 68 a 73.

A História das Termas dos Cucos





A História das Termas dos Cucos

2 - Os “Cucos” na História

Perto do sítio onde se localizam as Termas dos Cucos, junto à Quinta da Macheia, centro das propriedades que englobam aquelas termas, foram descobertos em 1959 vestígios de ocupação romana "quando se procedia à surriba de um terreno para plantação de vinha, e a uma profundidade de um metro e meio, apareceu a superfície quadrada de uma pedra, que depois de convenientemente descavada e retirada se revelou um cipo rectangular com 1, 25 m de altura, sob o qual se encontraram tejolos de fabrico romano e ossos humanos"[1], lápide funerária e ossos humanos que parecem revelar a existência no local de um cemitério romano pertencente a alguma povoação próxima.
Vasco Gil Mantas[2] , ao decifrar a leitura dessa lápide, atribui a origem desse monumento à primeira metade do século I. Aquele mesmo investigador, citado por Pedro Barbosa[3], refere que a via romana do Oeste entrava no litoral passando por Runa e Dois Portos, bem perto, se não mesmo ao lado, do local dos Cucos.
É provável, portanto, que as águas dos Cucos e as suas capacidades terapêuticas fossem conhecidas dos romanos, tanto mais que se trata de um fenómeno geológico muito anterior à existência humana e observável à superfície, como se percebe pela seguinte descrição de José António Neiva Vieira:
"Estas nascentes dos Cucos são nascentes artesianas e a sua existência deve-se aos deslocamentos da área tifónica [terreno confinado por séries de falhas e com fundo levantado através dos terrenos mais recentes] de Matacães. Água meteóricas infiltram-se através dos calcáreos do Jurássico médio [mais ou menos há 150 milhões de anos] da Serra de Montejunto (666 metros de altitude no cimo), descem com as camadas impermeáveis a grandes profundidades, onde elevam a sua temperatura, que na emergência atinge 40,1 graus para Cucos Modernos (Choffat diz descerem a cerca de 720 metros de profundidade), atravessam depósitos de salgema e outros depósitos, adquirindo assim a sua mineralização e radioactividade, e é no vale dos Cucos que encontram as falhas que lhes permitem atingir a superfície."[4]
Com as poucas provas acima referidas e sabendo-se a importância que os romanos atribuíam ao termalismo, não seria de estranhar terem sido eles os primeiros banhistas dos Cucos.
Para os períodos posteriores à ocupação romana continuam a rarear referências àquela região. Sabe-se, por um documento de 1242, da existência de um “moinho do carpinteiro”, um topónimo ligado à área envolvente dos Cucos, e que então pertencia ao património do Mosteiro de Alcobaça.[5]
Por sua vez, a existência da Macheia é referida pela primeira vez em 1309, com 2 “fogos” e no primeiro numeramento nacional de 1527, feito, para a região de Torres Vedras, em 15 de Setembro desse ano por Jorge Fernandes. Nesta data, a então “Aldêa da Macheia com casaes d´arredor” possuía 18 “vizinhos”, sendo um dos lugares mais povoados do concelho.É preciso esperar pelo século XVIII para se encontrarem as primeiras referências conhecidas às águas dos Cucos, nas respostas dadas pelos párocos das freguesias de Stª Maria, S. Miguel e S. Pedro ao inquérito paroquial, realizado a nível nacional em 1758. Escrevia o padre António Ribeiro, cura de Santa Maria, com a data de 7 de Maio de 1758: "Ha poucos anos se descobrirão huns olhos de agoa calidas, que nascem na margem do rio Sizandro e ficão em distância desta villa a parte da nascente por espaço de hum quarto de legoa, junto ao Moinho do Carpinteiro, em que se tem experimentado especial virtude para o figado" [6].
Num português peculiar, o Padre Izidoro de Abreu Machado, pároco de S. Miguel, procurava uma explicação mais científica para a utilidade dessas águas: "Tem tambem o districto desta freguezia no sítio chamada do carpinteiro distancia desta villa de hum quarto de legoa huma [907] agua termal participante de muntas partes sulfuricas, e nitrozas, dotada de muitas virtudes; Para estupores espurios, gotas artetticas, inchassois edematozas; outras muntas queixas, para as medicassois das quais concorrem pessoas de muntas partes, e legoas principalmente no veram por cauza do in commodo que esta tem para o uzo, por nascer na margem do Rio chamado Sizandro contigua a agua do mesmo Rio, e se lhe nam ter feito a diressam medicinal para o abafo, e Rigimento. E nam obstante este muntos se tem achado inteiramente saos de queixas que padessiam, nam consta sem ambargo do uzo desta ser de munto poucos annos he ao presente fosse nossiva". Mais completa foi a descrição feita no mesmo inquérito pelo prior de S. Pedro, António José de Faria, em 17 de Junho de 1758:
"Na distancia de huma milha ao nacente desta villa na margem do mesmo rio Sizandro, estao varios olhos de agoa huns contiguos, outros distantes, mas todos prodzidos de huma vea subterranea que corre transversalmente por baixo do mesmo rio, como se colhe dos vestigios nitrozos que a superficie da terra estão patentes tem esta agoa bastante calor o qual se conserva por muitas horas fora do seu nacimento. Os minaraes que nella se alcansão são muito nitro, e não pouco inxofre, e tambem se presume passara por mineraes de ferro, porem ao certo se não sabe com evidencia.
"Esteve esta agoa sempre incognita athe que hum grande cirurgião do partido da camara desta villa pella observar no ano de 1716 [ou 1746] a pos em uzo na medicina, chamado o dtº cirurgião Maximo Monis de Carvalho, e tem alcansado esta agoa notaveis efeitos, em desterrar Sarnas, Lepras, Caquechias, inchações, e de curar chagas sordidas, goats arteticas, convulcôns, Parllezias, e obestrucoens de olhos, servindo algumas vezes de remedio paleatico a chagas cancrozas, e podera servir pª remedio de outras muitas queixas se o pio zelo lhe mandase por algum reparo, para assim comodamente se uzar dos banhos como convem; pois não he menos para ademirar o grande nomero de enfermos que ali de diversas partes tem concorrido a tomar banhos nos toscos lagos que com sua industria fazem na terra, expostos ao ar, e sem reparo algum, e a maior parte sem concelho de medico, e nem regimento, ja tomandoos a toda a hora, e por dilatado tempo, sendo agoa tão activa não consta athe o prezente que rezultase de tantas dezordens e videntes perigos, mas antes tem sucedido acharem alguns enfermos alivio total nas suas queixas, tomando os ditos banhos depois de terem uzado os das Caldas da Raynha tão celabrados sem utilidade alguma. Restringeçe apena nesta breve noticia para assim de algum modo não dar sentimento aos coracons zellozes da utilidade publica os quaes se por extenço tiveçem anotº desta agoa quazi ancora sagrada que com suas vertudes maravilhozas segura a vida nas procellozas tromentas de tantos males, e não sem grande magoa se ve desprezada e abatida"[7] .
Pode-se assim afirmar que só no século XVIII surgem as primeiras referências às qualidades terapêuticas das águas dos Cucos, assinalando-se igualmente a precariedade das instalações e a necessidade de as melhorar. O século XVIII conhecia, aliás, um pouco por todo o país, a proliferação de construções balneares para a utilização de nascentes. A primeira análise científica da qualidade das nascentes dos Cucos foi feita pelo Visconde de Balsemão, numa comunicação apresentada em 1813 na Academia Real de Ciências, intitulada "Análise das Àguas Minerais dos Cucos e Descrição Física do Sítio". Madeira Torres, na parte económica da sua "Descrição Histórica e Económica da Vila e Termo de Torres Vedras", publicada em 1835 no tomo XI, parte II da 1ª série das "memórias da Academia Real das Ciências de Lisboa", mas escrita entre 1818 e 1820, é o autor de outra das mais antigas referências às águas dos Cucos:
"(...) no sítio denominado dos Cucos, sobre a margem direita do Sisandro, se acha a célebre agoa Thermal, conhecida com o nome da situação (...) ninguém que conheça esta preciosidade, deixa de lamentar, que apezar dos dispendiosos esforços do benemerito dono dos banhos, estes se acham expostos às inundações, que os entulhão, e destroem. Ninguém deixa de reconhecer, que este estabelecimento devidamente reformado, alêm de tornar-se então mais interessante à saude pública, seria capaz de conciliar vantagens económicas para a nossa villa, chamando hum concurso, que deixasse nella, e seus contornos, espalhada huma parte do numerário, cujo giro tem feito povoar, faz subsistir à Villa de caldas, e suas visinhanças”.
Ao mesmo Madeira Torres se deve a primeira referência a uma outra nascente, a "Dos Coxos": "Em meia distancia entre aquelle sitio dos Cucos e a Villa, sobre o alveo, e junto a margem esquerda do Sisandro, no sitio denominado = Dos Coxos = se acha um copioso nascente, aos lados do qual se levantão algumas barracas, onde assentão tanques, ou caixas de madeira, em que corre, e se deposita a agoa na maior pureza, e se tomão banhos, muito proveitosos para remediar as erupções da pele (...)" .
Ao longo do séc. XIX surgem vários estudos e referências a estas águas. Vivia-se um período de expansão do termalismo, revelando-se uma maior preocupação com a saúde de cada um.

[1] VIEIRA, José António Neiva, História das Termas do Vale dos Cucos, Porto 1964, pág.6.
[2] MANTAS, Vasco Gil, Inscrições Romanas no Museu Municipal de Torres Vedras, Coimbra, 1982, pp. 42 a 49.
[3] BARBOSA, Pedro Gomes, Povoamento e Estrutura Agrícola na Estremadura Central, Lisboa, 1992, pp. 254 e 292.
[4] VIEIRA, ob.cit.
[5] BARBOSA, ob. Cit. Pág. 264.
[6] Memórias Paroquiais de 1758, Paróquia de Stª Maria, A.N.T.T.
[7] Memórias Paroquiais de 1758, S.Pedro, A.N.T.T.

A História das Termas dos Cucos





A História das Termas dos Cucos

3 – De Peres a Neiva

O lugar dos Cucos faz parte, desde à longa data, das propriedades da Quinta da Macheia e a esta parece ter estado sempre ligada.
Algumas das propriedades da Quinta pertenciam, nos primeiros tempos do reino, ao mosteiro de Alcobaça e sabe-se, por um documento de doação do século XVI, que Dom Rodrigo de Menezes, do conselho de D. Manuel, recebia, entre outras rendas, o direito do pão de então "Reguengo de Machêa".
A partir do século XVII começa a dar-se um fenómeno raro, que foi a transformação de uma aldeia, a da Machea, que em 1527 era uma das mais povoadas do concelho, numa quinta de um único proprietário, um processo longo e que só se completaria na segunda metade do sec. XIX.
Essa "concentração dos edifícios e das terras na mão de um único senhor começa a produzir-se (...) quando Domingos Fernandes Monteiro, "que vivia por sua fazenda" na dita aldeia, compra numerosas propriedades na serra de Machêa e ribieira de Machêa e casas no lugar da Machêa", de acordo com vários escrituras e documentos desde o princípio do sec. XVII existentes na posse da família de José António Neiva Vieira[1] .
Em finais do século XVIII, após falecer o Dr. António de Matos Pereira, que era o proprietário da Quinta da Machêa, Miguel Lourenço Peres vai herdar essa propriedade e vai mandar fazer um mapa das suas propriedades em 1787, cujo original se encontra naquela quinta e intitulado "Mapa da Quinta denominada de Machêa com todas as suas pertenças de casas, pomar, horta, vinhas, olivais, terras lavradios e matos, tudo conjunto, desde o referido lugar, até ao sítio da Ribeira de Machea, indo pelo de Santo Amaro, calçada que vai para a vila de Torres Vedras, e da dos Cucos, sítio do carpinteiro e outeiro fronteiro ao da Boiaca (...)"[2] .
Miguel Peres foi o primeiro a procurar realizar alguns melhoramentos na captação e nas instalações do lugar dos Cucos: "Constavam de três barracas de madeira: a primeira com um banho, uma bomba para 'choques parciais' e um depósito que alimentava a bomba. Encontravam-se a nível inferior ao do leito do Sisandro e descia-se até aos banhos por degraus feitos na terra. Levavam cinco horas a encher, dado o pequeno débito das nascentes, e rem despejados à mão" [3].
O falecimento, ainda jovem, de Miguel Lourenço Peres provocaria um arrastado processo Judicial pela posse do lugar entre o herdeiro deste, Jose Lourenço Peres, e uma parente do Dr. António de Matos Pereira, que contestava a herança dos Peres, processo esse que se arrastaria de 1782 a 1830, ganho finalmente por José Lourenço Peres, o último Capitão-Mor de Torres Vedras.
Os juros dos empréstimos também estavam sujeitos então ao pagamento da décima e nesse documento encontramos uma referência à divida de Jose Lourenço Peres e "sua mulher" a "João Gonsalves Dias de Lisboa", no valor, altíssimo
Através do livro de décimas de 1831, existente no Arquivo Municipal de Torres Vedras, e porque os juros dos empréstimos também estavam sujeitos ao pagamento daquele imposto , ficamos a saber que, nessa data, José Lourenço Peres e "sua mulher", deviam a "João Gonsalves Dias de Lisboa", o valor, altíssimo para a época, de ...11.515$545 ! Este "João Gonçalves Dias Neiva e a dívida enorme que lhe era devida por Jose Lourenço Peres talvez explique que mais tarde a Quinta da Macheia viesse a passar para a família "Neiva". No recenseamento eleitoral de 10 de Novembro de 1836, documento existente na Biblioteca Municipal de Torres Vedras, surge pela primeira vez uma referência à morada de João Gonçalves Neiva no lugar de Macheia, profissionalmente identificado como "capitalista".
João Gonçalves Dias Neiva iniciou então uma nova “dinastia” na posse da Quinta da Macheia e que alteraria profundamente a importância do lugar.

[1] VIEIRA, ob.cit.p.10.
[2] VIEIRA, ob.cit, Pág. 9
[3] VIEIRA,ob. cit. pág.11.

A História das Termas dos Cucos





A História das Termas dos Cucos

4 – Um documento de Propriedade do Século XVIII

“Compra amigavel .Miguel Lourenço Peres da cidade de Lisboa ao Dr. Antonio de Mattos Prª da Q.ta da Machea ,a mesma quinta por 3:200$000

“Ao primeiro dia do mês de Janeiro de mil e sette centos e outenta e douis annos , nesta villa de Torres Vedras lançou em verba de siza Miguel Lourenço Peres morador na cidade de Lisboa , a compra que fes amigavel ao Dr.Antonio de Mattos Pereira morador em Maxea deste termo,de huma morada de cazas Nobres no ditto citio de Maxea ,que consta de dous lagares de vinho ,e hum de Azeite ,e adegas e mais pertenças ,e todos os mais predios Rusticos e Urbanos sejão vinhas ,terras , olivais ,Mattas,Pumar ,Horta ,Corrâes ,que athe o dia de hoje possuhia , exceptuando o ditto vendedor as propriedades de que se paga foro, e huma propriedade de cazas a Ruinadas citas no sobreditto Lugar de Maxea, foreiras do Ex.mo Marques do Lavradio , e huma terra chamada o Paûl junto a Ponte do cordeiro ,tudo pella refferida forma , pella quantia de três contos e duzentos mil reis , entrando digo a Ponte do cordeiro compriendendo tambem nesta compra o Prazo chamado do Mosteiro foreiro às Rellegiozas de Côz ,com a Rezerva de todos os Rendimentos ,uzos // f.2 // e fructos durante a vida do ditto vendedor ,cuja compra fas pella referida forma , pella quantia três contos e duzentos mil reis ,de que o mesmo comprador pagou de Siza dobrada pella sua parte e do vendedor a quantidade de seis centos e quarenta mil reis que Recebeu o Dr.Joaquim Jose de Almeida e Carvalho thezoureiro dos bens de Raiz e assinou como Juiz Veriador e das Sizas e (...?) Gregorio Jose dos Santos (...) Escrivão que a escreveu”

(Documento existente no livro “Bens de Rais do Anno de 1782” ,existente no Arquivo Municipal de Torres Vedras , folha 1 ,verso , e folha 2 )

A História das Termas dos Cucos


A História das Termas dos Cucos





A História das Termas dos Cucos

5 – Os Cucos em 1831

Através de um documento inédito existente no Arquivo Municipal de Torres Vedras é possivel reconstruir a vida sócio-económica dessas propriedades em 1831[1] . Assim no lugar da Ordasqueira (sic) o "Capitão Môr José Lourenço Peres tem a Quinta de machea e mais fazenda e vinha à Madre da Fonte que produz 51 Pipas de vinho e 136 alqueires de pão meado e 18 cantaros de Azeite (...)", enquanto no lugar da macheia pagavam de Décima por "prédios rústicos": - Custodio Jose Rodrigues "que tem fazenda que produz 6 pipas de vinho" - "A viuva de thimotio Nunes tem fazenda que produz meio almude de vinho e 20 alqueires de pão meado" - Estevão Sardinha "tem fazenda 3ª à Quinta Nova" - Thomás Alves "tem Azenha da Boiaca foreira a hum homem de Lisboa em 28:8oo réis" - O Benificiado Carvalho "tem da Quinta da Machêa de baixo que produz 24 alqueires de pão meado e 16 pipas de vinho" - "João do Cazal dos Cucos tem o dito Cazal de renda ao Doutor Tavares em 60 alqueires de pão meado" e "mais fazenda foreira ao Convento da Graça em 7 alqueires de trigo" - António Vieira "tem cazal do trigozo foreiro à Quinta Nova em 60 alqueires de pão meado" e mais uma "fazenda foreira a Medeiros em 6 alqueires de pão meado". - Francisco de Lima "tem fazenda foreira a São Tiago e ao capitão Môr Jose Lourenço Peres em 3 alqueires de trigo". - Francisco "Forneiro desta villa tem fazenda foreira a Medeiros em 8000 reis". - Jose Antunes Cabaço "tem fazenda foreira a Medeiros em 19 alqueires de trigo" - Os Herdeiros de Jose de Lima Falcão "tem fazenda de sua Quinta e anexos que produz 26 pipas de vinho, 200 alqueires de pão meado, 8 cantaros de Azeite, frutos Hortaliças que podem produzir 6:000 reis". - Os Herdeiros de Francisco Xavier da Cruz "tem o Cazal de Fonte Nabóa foreira ao Barão de Quintella em 60 alqueires de trigo". Vemos por este documento, não só a importância produtiva do local, como uma certa dispersão de terras por vários proprietários. No registo do pagamento da décima referente às propriedades "urbanas" são registadas 22 propriedades entre as quais se destacam as seguintes: - A Quinta da Macheia, do Capitão Jose Lourenço Peres avaliada então em 30.000 reis (o edifício "urbano"). - Um Moinho de "vento orgeiro e alveiro" pertencente a Jose Antunes "moleiro". - Um segundo moinho pertencente a Sebastião Velozo de Matacães "que produz 20 alqueires de pão meado" e o segundo "Moinho de Vento que pode vender 3 alqueires de milho". - São ainda referidas entre aquelas propriedades urbanas, três azenhas: - "Jose maria Molleiro tras de renda a Azenha do cabaço do capitão Mor por 40 alqueires de pão meado". - "(...) Azenha da Boiaca de Thomas da Urjariça que pode vender 20 alqueires de pão meado". - "(...) Azenha do Carpinteiro arrendada a Jose Antunes Cabaço por 60 alqueires de pão meado".

[1] “Décima de 1831 – Vintena de Matacães”, Arquivo Municipal de Torres Vedras.

A História das Termas dos Cucos




A História das Termas dos Cucos

6– A Mudança

O ano de 1851 foi um ano que marcou a mudança. Nesse ano João Vitorino Pereira da Costa, cirurgião da Câmara e do Hospital Civil de Torres Vedras, publicava "Breves notícias das águas termais dos Cucos, seguido de uma relação da maior parte dos doentes que delas fizeram uso nos meses de verão de 1850", nas páginas do "Jornal da Sociedade Farmacêutica Lusitana". Nessa obra "apontava a necessidade de mudar o álveo do rio Sizandro de forma a retirá-lo da proximidade imediata dos banhos e de captar melhor as nascentes"[1], recomendação que sensibilizaria João Gonçalves Neiva, que se havia tornado proprietário da Quinta da Macheia e dos banhos dos Cucos nesse ano.
Com o novo proprietário inicia-se uma nova etapa na história dos Cucos. Devem-se a João Neiva as primeiras obras de vulto no local:
" (...) melhorou as modestas instalações balneares, mandou fazer uma muralha para segurar as águas do rio nas suas arremetidas invernais e fez construir uma série de nove pequenas casas para habitação, comunicando entre si e com cavalariças ao fundo - as ainda existentes casinhas dos Cucos. tais instalações já permitiram que o Marquês do Lavradio, da Quinta da Conceição, aí se instalasse para com mais comodidade e repouso fazer tratamento" [2].
Os anotadores de Madeira Torres, na segunda edição, inédita até hoje, da parte económica da monografia de Madeira Torres, cujo original se encontra na Biblioteca Municipal de Torres Vedras, escreviam, por volta de 1862, sobre os Cucos:
"A concorrência dos enfermos a estes banhos tem sido grande n'estes ultimos annos, não só das Comarcas visinhas, mas também da Capital e Províncias (...).
"O numero dos banhos tomados nos ultimos 10 annos foi de mil em cada ano; e paga-se por cada hum 120 reis, dando-se porem d'esmolla a quem os pede, huma vez que apresente attestação de pobreza passada pelo respectivo Parocho, e de Facultativo sobre a necessidade, que d'elles tem; mas o numero d'estes não entra na conta assima dita, e calcula-se em huma quinta parte em relação ao numero dos pagos. Talvez tenha concorrido para a maior frequencia d'estes banhos, alem do annuncio mandado fazer todos os annos nos jornaes pelo actual proprietário d'elles João Gonçalves Dias Neiva, o outro publicado pelo pharmaceutico Francisco Fortunato d'Assis, assistente em Lisboa na rua do Alecrim nº 51e 52 , pelo qual tem anunciado não só venda na sua Pharmacia d'esta agoa engarrafada, mas tambem em resumo as suas virtudes (...).
" Para uso dos banhos das pessoas que residem, ou vem residir nesta villa há desde o anno de 1860, a comodidade das carroagens, que a Companhia da Diligencia da mesma villa para a Alhandra alluga para esse fim".
João Dias Neiva faleceu a 20 de Fevereiro de 1868, mas a sua acção em prol da melhoria das instalações nos Cucos contribuiu, de forma decisiva, para chamar a atenção de muitos especialistas para o valor daquelas águas.
Na década de 70 do século XIX surgem vários estudos sobre as águas minerais do reino e de propaganda ao termalismo, então em plena expansão. É dessa altura a publicação de uma obra fundamental de divulgação, da autoria de Ramalho Ortigão, publicada em 1875 e intitulada "Banhos de Caldas e Água Minerais", onde tece grandes elogios às qualidades terapêuticas das águas dos Cucos, chamando a atenção para a necessidade de melhorar as condições de alojamento deste lugar.
O aparecimento em 1885 do primeiro orgão de comunicação social de Torres Vedras, "O Jornal de Torres Vedras" contribuiu para alertar a opinião pública local e principalmente os responsáveis locais, para a importância do aproveitamento convenientemente do local. Logo a 26 de Março desse ano o citado periódico publicava um extenso artigo sobre as "Thermas dos Cucos", chamando a atenção para os frequentes "resultados maravilhosos obtidos pelo uso d'estas águas thermaes no tratamento das diversas formas de rheumatismo" mas queixando-se o articulista de, apesar desses resultados, "aos banhos dos Cucos recorrem relativamente mui poucos doentes" em comparação com outras termas então mais famosos (Caldas da Rainha, Taipas, Vizela, Moledo, S. Pedro do Sul), mas onde os doentes não encontravam os mesmos resultados que podiam obter nos Cucos. E o articulista procurava as causas para essa baixa frequência das águas dos Cucos, em primeiro lugar no facto de alguns médicos e cientistas desvalorizarem aquelas águas e em segundo lugar "no desfavor da apresentação".
Nos periódicos locais, herdeiros de "O Jornal de Torres Vedras", vamos continuar a encontrar várias referências á necessidade de melhorar a propaganda e as instalações daquele sítio.
O Jornal "A Semana" foi dos que mais se bateu por esses melhoramentos. Em 12 de Julho de 1888 esse jornal chamava a atenção para a "grande conveniencia e maior necessidade que há de construir um edíficio, apropriado e decente, onde os doentes de rheumatismo gottoso possam vir receber, com commodidades e asseio, os manifestos benefícios das nossas especialissimas águas dos Cucos.
"Aquillo que hoje lá existe, considerado como estabelecimento Thermal, é um péssimo documento da nossa orientação económica, que estamos apresentando aos forasteiros, deixando abandonado um precioso elemento de vida commercial de Torres Vedras (...). "As toscas locandas estão apinhadas de gente; as pessoas que se installaram pelas hospedarias da villa, quando vão tomar o banho, ao sair, não teem um quarto confortável onde demorem, acontecendo que nos dias inconstantes que tem corrido sugeitam-se até apanhar chuva, na volta ! Este é positivamente o reverso da medalha.
"Vamos, meus senhores, que tendes o nome aureolado com o fastigio da vossa fortuna: dispendei mais alguma coisa da vossa iniciativa própria, e imponde-vos á gratidão dos vossos conterraneos, porque essa gratidão é como o esmalte azul sobre o ouro". Para o crescente afluxo de forasteiros ao lugar dos Cucos terá contribuido a inauguração da linha férrea Lisboa-Torres em 1886, aberta ao serviço público em 1887. A esta situação e ao desafio lançado pela opinião pública local, o novo proprietário dos Cucos, José Gonçalves Dias Neiva, sobrinho do anterior, "decidiu-se a proceder ás obras de valorização desta estância termal. Pesaram no seu espírito, ao tomar esta decisão, vários factos. A região atravessava uma grande crise económica, devido á destruição dos vinhos pela filóxera, e tais obras dariam trabalho a muita gente. Ao seu ânimo agradava esta obra de benemerência, criar melhores condições para dar saúde. Receava, por outro lado, que o débito da água termal não fosse sufeciente para um grande balneário e não acreditava nas vantagens económicas deste empreendimento.
“O desaterro do poço soterrado mostrou que os vários olhos de água que lacrimijavam á superfície e alimentavam os antigos banhos provinham duma única e poderosa nascente, com um débito de 259.000 litros por dia. Tal observação convenceu-o da possibilidade duma exploração termal noutra escala de grandeza, e decidiu-o a iniciar as obras"[3] .
Essas obras, que incluíram o desvio do leito do rio Sizandro mais para a sua esquerda, junto ao monte do Cabrito, foram dirigidas por António Jorge Freire e pelo mestre João José Alves, e iniciaram-se a 26 de Novembro de 1890.
O Estabelecimento termal foi aberto ao público, provisoriamente, a 11 de Julho de 1892 e a sua inauguração oficial teve lugar, como já referimos, a 15 de Maio de 1893. Dias Neiva, entusiasmado com o êxito da obra, idealizou uma vila termal que, num ofício à Câmara definia como uma "nova povoação junto do estabelecimento balnear, subordinada a um plano maduramente estudado em que se observem rigorosamente todos os princípios higiénicos tanto nos arruamentos e esgotos como nas casas de habitação"[4] .Chamar-se-ia "Vila Neiva dos Cucos" e António Jorge Freire foi encarregue de elaborar o plano. Incluía "40 moradias iguais aos actuais chalets que marginam a Avenida das Termas, albergaria com casas mais modestas, um hotel com 300 quartos, hospital termal, capela, mercado, casino, a Avenida de Torres que, vinda da Praça do Mercado cruza-a a actual Avenida das Termas, desembocar na Praça da Capela, atravessa-a o Sizandro e, depois de ladear o contraforte do Casal Cabrito, passaria por cima do túnel, para se dirigir à estação de caminho de Ferro da vila; no alto da serra de Machêa instalava-se um solário para crianças e no morro dos Cucos um pequeno chalet para repouso dos doentes; a serra seria intensamente arborizada e um parque arborizado ligava a Praça das termas a um grande lago, no sitio da antiga Azenha dos Cucos, por trás do actual Buvette" .
Deste arrojado plano "apenas" se concretizaram a construção dos balneários, da Praça das Termas e da Avenida das Termas. O Casino foi construído em 1896 e, das 40 moradias previstas, apenas se concluíram duas vivendas: "D. Feliciana" (1895) e "D. Maria" (1896). De qualquer modo aquilo que se construiu foi de tal modo importante que mereceu a visita de personagens tão ilustres como o rei D. Carlos, em 1902, e que, por essa ocasião, agraciou José Dias Neiva com o título de Conde de Machêa, como o rei D. Manuel II, por ocasião das comemorações do centenário da Batalha do Vimeiro, em 1908, como Egas Moniz, o prémio Nobel Português, que frequentou os Cucos em 1902, 1903, 1905, 1906 e 1907, ou como, em 1920, o Presidente da República António José de Almeida.
Para além de José Gonçalves Dias Neiva, proprietário do estabelecimento, e de A. Jorge Freire, engenheiro responsável pela obra, é de destacar ainda o Dr. Justino Xavier da Silva Freire, director clínico das Termas, e autor de importantes relatórios médicos entre 1893 e 1913. A esse "triunvirato" se ficou a dever tão importante iniciativa.
A José Gonçalves Dias Neiva, falecido em Fevereiro de 1929, sucedeu-lhe, à frente dos destinos das Termas, um seu sobrinho, José António Vieira, que viria a falecer em 1962 e que dirigiria as termas numa fase de certa estagnação do local. Sucedeu-lhe José António Neiva Vieira, que procurou dar um novo dinamismo ao local, apesar das dificuldades acrescidas pela poluição do rio Sizandro. A este, enquanto director clínico da Estância Termal dos Cucos, se deve o primeiro relatório entregue aos serviços técnicos de Salubridade da Direcção Geral de Saúde, em 1969, sobre os inconvenientes das descargas da indústria Calhaus e Ferreira, Ldª no rio Sizandro.
Mas o local não se ficara por aqui no que toca a atentados ao meio ambiente. Recentemente uma pedreira destruiu uma área envolvente da zona dos Cucos e em 1983 foram imensos os estragos provocados pelas cheias.
Nestas condições foi difícil a José António Neiva Vieira melhorar as termas dos Cucos. Deve-se a ele a melhor monografia sobre o local, "História das Termas do Vale dos Cucos", editada em 1964, da qual temos vindo a citar algumas passagens.
Infelizmente, numa altura em que as Termas dos Cucos começavam novamente a conhecer algum desenvolvimento, o Dr. Neiva Vieira veio a encontrar a morte de forma trágica em 28 de Agosto de 1987 na passagem de nível de Runa.


[1] VIEIRA, ob. cit. pág.16.
[2] VIEIRA, ob. cit. pág. 17.
[3] VIEIRA, ob.cit. pp. 23-24.
[4] Citado por VIEIRA, ob. cit, p. 26.

terça-feira, 14 de julho de 2009

FICHAS DE BIBLIOGRAFIA VEDROGRÁFICA - "No Primeiro Centenário de Madeira Torres"


Título: “No Primeiro Centenário de Madeira Torres”.
Autor: CALADO, Rafael Salinas.

Ano:1936.
Edição:Tipografia e Papelaria da Sociedade Progresso Industrial.
Local: Torres Vedras.
Preço: Não refere.
Nº de Páginas: 27
Tiragem:300 exemplares.

Gravuras: na capa e no interior, Rua do Quebra Costas, da autoria de A. Loureiro.
Fotografias: Casa da Quinta das Fontainhas; Igreja de Stª Maria do Castelo; Quartel General de Junot (Largo da República); sentença na justificação requerida por Francisco Pedro Boto Pimentel; 1ª edição da Descripção Histórica e Economica-1819; 2º edição da Descripção Histórica e Economica-1861; Parte económica da Descripção Histórica e Economica-1833; Casa onde viveu e faleceu o desembargador Manoel Agostinho Madeira Torres.
Gráficos: nenhum

Tema: Comunicação proferida por Rafael Salinas Calado, então director do Museu e da Biblioteca de Torres Vedras, por ocasião do primeiro centenário do falecimento de Agostinho Madeira Torres, conferência realizada nos Paços do Concelho de Torres Vedras em 27 de Janeiro de 1936, repetida no Teatro-Cine Ferreira da Silva em 8 de Fevereiro do mesmo ano. Nessa comunicação traça-se, não só a biografia de Madeira Torres, como o enquadramento histórico da região na época em que viveu. São ainda transcritos vários documentos.

Capítulos: “Breves Palavras” por Henrique de Campos Ferreira Lima [director do arquivo Militar]; Exposição Bibliografica [transcrição da notícia publicada no jornal “O Torrense” de 16 de Fevereiro de 1936]; Minhas Senhoras e Meus Senhores [comunicação]; Notas [inclui diversos documentos].


FICHAS DE BIBLIOGRAFIA VEDROGRÁFICA - "No Primeiro Centenário de Madeira Torres"

(no cruzamento da Av.5 de Outubro com o Praça da República -1936)

Quinta das Fontainhas (entre o Aqueduto e os Cucos), local onde nasceu Madeira Torres.


Dedicatória assinada por Salinas Calado



terça-feira, 7 de julho de 2009

Nos primórdios do transporte automóvel em Torres Vedras

Data de 1895 a entrada do primeiro automóvel em Portugal, e não foi preciso esperar muito tempo para aparecer em Torres Vedras o primeiro agente de venda de automóveis, conforme se prova num anúncio publicado nas páginas do jornal "A Vinha de Torres Vedras" em 6 de Janeiro de 1898.
Inicialmente o êxito do automóvel foi limitado e temos de esperar por 1902 para encontrarmos a primeira referência comprovada à circulação de um automóvel nas ruas de Torres Vedras. Foi por ocasião da visita da rainha D. Amélia ao convento da Graça, a 12 de Maio desse ano, de passagem "em direcção à quinta das Lapas(...)em automóvel e (...)acompanhada pelos srs. conde de Tarouca e condes de Figueiró(...)"[1].
Só em finais da década de 10 é que o automóvel conheceu algum incremento neste concelho, levando a Câmara Municipal a iniciar, a partir de 1918, um registo de automóveis matriculados, oficialmente os primeiros existentes em Torres Vedras e dos quais registamos os 20 primeiros[2]:

(Nº de ordem de matricula; Nº de Circulação; Ano, Mês e Dia do Registo; Nome do Proprietário e residência)
1 1660 1918 Abril 18 D. Vasco Martins Sequeira Q.ta Juncal
2 2393 1918 Julho 5 Vasco de Moura Borges Q.ta Paio Correia
3 943 1919 Julho 12 João Henriques dos Santos Torres Vedras
4 1390 1919 Julho 19 Gonzaga Limitada Q.ta Charneca
5 --- 1919 Agos. 2 José Augusto Lopes & C.ª Torres Vedras
6 2270 1919 Sete. 2 José Duarte Capote Torres Vedras
7 2705 1919 Out. 10 José Augusto Lopes Jr. Torres Vedras
8 --- 1919 Dez. 26 Joaquim C. Rodrigues Torres Vedras
9 2811 1920 Jan. 12 João Henriques dos Santos Torres Vedras
10 --- 1920 Maio 22 António ...? Oliveira Torres Vedras
11 4076 1920 Junho 15 António Emilio Cunha S.tos Torres Vedras
12 4258 1920 Agos. 2 Alfredo Oliveira Luso Lisboa
13 4230 1920 Agos. 16 João Henriques dos Santos Torres Vedras - camioneta
14 4614 1920 Set. 2 Faustino Policarpo Timóteo Dois Portos -camioneta
15 4473 1920 Out. 2 Manuel Augusto Baptista Torres Vedras
16 2981 1920 Out. 14 José Botto Pimentel Carv.º Q.ta do Paço
17 2907 1920 Nov. 16 José Antunes Martins Ramalhal
18 3382 1921 Abril 13 Dr.Pereira Branco Ribaldeira
19 218 1922 Maio 25 António Hipólito Torres Vedras
20 --- 1922 Agos. 4 Amadeu dos Santos Torres Vedras

Por este quadro é possível concluir que foi a partir da década de 20 que a aquisição de automóveis começou a aumentar neste concelho e que a primeira camioneta registada pertencia a João Henriques dos Santos. No ano de 1926, registavam-se 48 automóveis e 26 camionetas[3].
Se a divulgação do automóvel foi lenta e demorada, os primeiros transportes usando o automóvel só começaram a obter algum êxito também nos anos 20, quando começaram a poder bater o comboio no tempo de percurso, ou chegando a sítios onde o comboio não chegava, mas que ganhavam crescente importância turística e económica, como foram os casos de S.ta Cruz e Peniche.
Data de 1899 a primeira proposta de estabelecer uma carreira automóvel ligando Torres Vedras a Lisboa.
Em reunião camarária de 14 de Dezembro desse ano dava-se a informação de se ter recebido um requerimento, datado de 25 de Novembro, dirigido a esse orgão municipal de "Alfredo de Brito, - industrial, constructor electricista com fábrica em Lisboa, na rua de Santo António dos Capuchos, nºs 52/54" pedindo "à Camara Municipal de Torres Vedras, concessão por setenta e cinco annos, para si ou para a Companhia que está organisando, para a exploração (em toda a area actual do concelho de Torres Vedras e d' aquella que de futuro venha a pertencer-lhe), do transporte de pessoas, mercadorias, etc.,etc., por meio de vehiculos denominados automoveis. O requerente garante à câmara, annualmente três por cento da receita bruta.
"Esta concessão facultando à Camara uma nova receita, proporcionará aos municipes as vantagens de usarem um meio de transporte rápido e commodo, e facultará o desenvolvimento da industria de carruageria sic , ha muitos annos estabelecida no país,e da industria mecanica pela fabricação dos motores e acessórios necessarios aos automoveis, fabrico que o requerente iniciou na sua fabrica(...)"[4].
A camara ficou de tratar deste assunto noutra sessão, nunca o tendo feito. Foi preciso esperar por 1915 para se inaugurar a primeira carreira automóvel. Pertenceu a iniciativa à empresa da Malveira, Joaquim Jerónimo &Irmão: "Trata-se de uma carreira de auto-omnibus entre Torres e Lisboa, partindo do Largo da República, todos os dias ,às 3 horas da tarde", preenchendo assim "uma lacuna importante, que ha muito se fazia sentir, tanto mais que a companhia dos Caminhos de Ferro nunca quiz atender as reclamações constantes que lhe foram feitas, para restabelecer os comboios da tarde para Lisbos, que ela, há muito, desatenciosamente suprimiu(...)"[5].
Este serviço teve início a 18 de Abril de 1915 e nasceu em confronto directo com o transporte ferroviário. Contudo, fosse por fazer a viagem de Torres Vedras ao Lumiar em 3 horas, tanto tempo como o tempo de comboio, fosse por outras razões, esta iniciativa não teve o êxito esperado, sendo necessário esperar por nova iniciativa do género, nos anos 20, pela qual foi responsável João Henriques dos Santos.
Já referimos noutra parte do nosso artigo que João Henriques dos Santos não só foi o terceiro torriense a registar a posse de um automóvel, como foi o primeiro a adquirir uma camioneta.
O seu entusiasmo por esse então novo meio de transporte revelou-se em diversas ocasiões. Uma das mais conhecidas aconteceu em 1922, a 3 de Dezembro. Tendo passado então pelo Vilar, ouviu foguetes e, perguntando o que se passava, disseram-lhe que anunciavam a realização das festas do lugar do Pereiro. Logo aí manifestou interesse em deslocar-se no seu automóvel a essas festas."É claro, pessoas conhecedoras do lugar e do caminho existente para ali, tentaram dissuadi-lo, mas foi como se chovesse no molhado. Não o demoveram do seu intento. Os companheiros também não ligaram importância aos conselhos, e lá seguiram, por uma estrada vicinal, que em Dezembro só poderia ser transitada por cabras ou por corvos, pois só servia às vezes para carros de bois.
"João Henriques dos Santos, com o carro cheio de amigos, começou subindo aquêle pseudo-caminho, embóra com dificuldade. Mas, mais para cima, o caminho complicou-se e não havia meio de poderem prosseguir. Retroceder muito menos. Então a situação era crítica. Nem para diante, nem para tráz.
"Enfim, como era boa a disposição que tinham adquirido pelo caminho, lá foram removendo uma pedra aqui, colocando outra ali, escangalhando um calço acolá, evantando o carro além para o tirar da situação crítica ou de se despenhar de qualquer ribanceira, e depois de extenuantes esforços, lá conseguiram chegar ao Pereiro.
"Grande festa, entre a população, por ali ser visto, pela primeira vez, um automóvel, foguetes e o resto que se póde imaginar, em tais casos(...)"[6].
Em finais dos anos 40, em homenagem a essa odisseia, o povo do Pereiro mandou colocar uma lápide comemorativa da chegada do primeiro automóvel a esse lugar bem como a João Henriques.
Exemplo do mesmo espírito ousado que marcaria a sua vida, ficou célebre aquela vez em que desceu de carro as escadinhas do castelo, ganhando uma aposta de cem escudos.
A ele ficou a dever-se o início da primeira carreira regular de automóvel, para Santa Cruz, que se iniciou em 1 de Agosto de 1923. Partia da estação de caminho de ferro "após a chegada do comboio correio da capital",saindo depois daquela praia "a tempo dos passageiros poderem regressar à capital pelo comboio correio da noite"[7].Custava a viagem para S.ta Cruz a quantia de 5 escudos.
Se essa iniciativa muito contribuiu para o grande desenvolvimento turístico que essa praia conheceu desde então, mais importante terá sido para o desenvolvimento desta região o facto de ter iniciado a regular ligação rodoviária de Torres Vedras a Lisboa, em Novembro de 1928.Gastou na viagem inaugural duas horas. Custava o bilhete 11 escudos,"custando o lugar ao lado do condutor 15$00!Indicava-se a chegada e partida no Largo de S.Domingos, depois no Largo da Anunciada e, posteriormente, na Rua da Palma. Avisavam-se ainda os passageiros de que deveriam ocupar os seus lugares 15 minutos antes da partida".
O êxito desse empreendimento foi tal, que logo no ano seguinte surgiram dois concorrentes, Ruy Lopes e Francisco Capote, concorrência que foi benéfica para os habituais passageiros desse percurso, pois os três proprietários esmeravam-se por apresentarem as melhores e mais cómodas camionetas. Pouco tempo depois, João Henriques dos Santos conseguia monopolizar a ligação com Peniche.
Reside nesta ligação com Peniche um dos episódios mais marcantes da bondade da sua personalidade ao ajudar os presos políticos de Peniche, transportando gratuitamente as encomendas que lhes eram enviadas pelos familiares.
Dentro do mesmo espírito, de ajudar os que precisavam, tomou igualmente a iniciativa de "na sua carreira da manhã, que passa por Montachique," conceder "nos dias úteis, a todas as crianças do lugar de Malgas, do visinho concelho do sobral de Monte Agraço e que " frequentavam" a escola primária de Pêro Negro, passagem gratuíta", procedendo de igual modo com os passageiros pobres que procuravam tratamento nos hospitais de Lisboa.
A empresa que fundou continua hoje ligada ao ramo automóvel, tendo abandonado os transportes públicos em 1972, cedendo as suas concessões à empresa Claras, absorvida, depois do 25 de Abril de 1974, pela empresa pública Rodoviária Nacional.


[1] In Folha de Torres Vedras, 8 de Maio de 1902.
[2] In Arquivo Municipal de Torres Vedras (AMTV).
[3] In AMTV.
[4] In Actas da Câmara Municipal de Torres Vedras (CMTV), Livro nº 35, sessão de 14 de Dezembro de 1899, fol. 247 verso, AMTV.
[5] In A Vinha de Torres Vedras, 22 de Abril de 1915.
[6] In Badaladas [em data desconhecida].
[7] In O Torreense, 5 de Agosto de 1923.

Nos primórdios do transporte automóvel em Torres Vedras


Uma das primeiras "camionetas" de João Henriques dos Santos (anos 20)

Camioneta de Ruy da Costa Lopes


Uma "paragem" frente ao Convento da Graça



Uma camioneta de passageiros em Stª Cruz - início do século XX