sexta-feira, 12 de março de 2010

Ainda o O Sr. Vinho...achegas para uma polémica.



Este é o artigo que deu início à polémica:

“Senhor Vinho custa 300 mil euros”

A praça em frente ao futuro Mercado Municipal de Torres Vedras receberá a partir de Maio próximo uma obra d’arte de Joana Vasconcelos. A Câmara torriense vem “namorando” há alguns meses com a artista portuguesa, nascida em Paris no ano de 1971, tendo chegado já ao nível negocial do dito artefacto.

Em causa está a aquisição do “Senhor Vinho”, um garrafão em ferro forjado de dimensões gigantescas (5m x 3,5m), como é aliás apanágio das obras d’arte criadas pela artista de renome e pergaminhos internacionais.

O presidente da Câmara, Carlos Miguel, confessou ao Badaladas na noite da passada segunda-feira durante a abertura da exposição onde está integrada a citada peça, no Museu Berardo do Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, que o garrafão tem um custo real de ateliê de 300 mil euros (60 mil contos na moeda antiga).

Todavia, o autarca adiantou que há ainda outros dois preços a ter em linha de conta, a saber: um fixado pela própria artista e outro a cobrar à Câmara no acto da compra, sem contudo revelar os respectivos números. Tudo porque o edil está neste momento a negociar o apoio para a aquisição da obra através de dois conhecidos mecenas.

O primeiro deles, garantido desde já, é o banco Santander Totta, e o outro, ainda em fase preliminar de negociações, é a Fundação EDP.

Carlos Miguel, um reconhecido “amante da Cultura e da Arte”, justificou entretanto que a compra do “Senhor Vinho” não é nenhuma “aquisição casuística”, porquanto se enquadra dentro duma vontade assumida em dotar os novos equipamentos municipais com obras de valor artístico reconhecido.

Aliás, “esse percurso coerente”, como adiantou, vem desde os tempos do Estado Novo, em que existia uma norma que obrigava todos os edifícios e equipamentos públicos a exibirem uma obra de arte. “Coisa que ao longo dos tempos foi caindo em desuso”, lembrou o presidente da Câmara.

Ao ressuscitar agora precisamente uma ideia do “tempo da ditadura”, o edil torriense promete que a veia artística vai continuar a ser alimentada em Torres Vedras e a percorrer os trilhos de todo o concelho, anunciando que, a titulo de exemplo, o futuro Centro Educativo da Ventosa tem uma dotação de cerca de 30 mil euros para esse fim.

Recorde-se que já no final do consolado do presidente Jacinto Leandro, o então vereador Carlos Miguel, liderou a aquisição de outras duas obras de arte de renome que foram muito “contestadas” na altura, nomeadamente de mestre Charrua e de Fernando Conduto, hoje localizadas em duas rotundas da conhecida Avenida Poente.

Entretanto, o famoso garrafão gigante, depois de terminada a exposição no lisboeta CCB, viajará até França onde, em Paris, integrará uma mostra de arte internacional. Só depois virá a ser instalado na praça do novo Mercado Municipal torriense, após sofrer algumas transformações de última hora, fazendo jus ao rendilhado das varandas da zona histórica da cidade.

A título de curiosidade, refira-se ainda que o próprio Joe Berardo se mostrou interessado na aquisição da peça, mas já foi tarde pois a Câmara de Torres Vedras adiantou-se ao negócio.

Memória descritiva do “Senhor Vinho”

Uma enorme estrutura em ferro forjado adopta a forma de um garrafão de vinho. A estrutura é percorrida e assim decorada com videiras, impondo a sua presença monumental no exterior do novo Mercado Municipal de Torres Vedras.

Nas grades em ferro que dão forma ao garrafão reconhecemos os padrões característicos de vedações e guardas de varandas. A relação aparentemente distante entre o objecto representado e o elemento que o estrutura é contrariada pela especificidade da zona de implantação da obra.

“Senhor Vinho” assume-se como uma autêntica escultura-caramanchão, onde o elemento industrial e o elemento natural se conjugam numa simbiose perfeita, em clara comunhão e complemento com a malha circundante.

O ferro forjado, material arquitectónico simultaneamente funcional e decorativo, surge investido de importância estrutural na construção do objecto, cuja domesticidade é negada pela hiperbolização da sua escala. A estrutura alusiva ao garrafão e sobretudo as videiras que o envolvem, constituem um micro universo rural transportado para a realidade urbana, contrariando a tradicional incompatibilidade entre esses dois mundos.

Fortemente enraizado na sociedade portuguesa, o vinho assume inegável importância em diversos contextos – social, económico, religioso –, mas a universalidade que se lhe reconhece excede a especificidade única de um país ou região, conferindo à obra uma leitura transfronteiriça e a possibilidade de um diálogo enriquecedor, complexo e estimulante com outras culturas, regiões e países.

Assertivas referências históricas e culturais, e alusões relativas à realidade urbana e ao ambiente doméstico, colaboram numa estratégia de apropriação, descontextualização e subversão da banalidade, transportando o observador para um universo desafiador das rotinas programadas do quotidiano, um mundo estranho e simultaneamente familiar”.

Fernando Miguel ,in  Badaladas 5-3-2010

… e esta foi a resposta do presidente do município à polémica desencadeada:

“Sr. Vinho - DESINFORMAÇÃO

“Na sequência da notícia publicada na edição de 05/03/10 do Jornal Badaladas, cumpre-me esclarecer:

Pela mão do seu Director, o Badaladas, na sua edição de 05/03/10, deu notícia sobre a aquisição pela Câmara Municipal, de uma obra de arte de Joana Vasconcelos, sob o título “Senhor Vinho custa 300 mil euros”.

Não querendo pôr em causa o conteúdo da informação, não posso deixar passar em claro a desinformação que o título contém, pois é falso e o Sr. Director sabe que é falso.

É bom que se diga que os órgãos de comunicação social regionais foram convidados a estarem presentes na inauguração da exposição retrospectiva da artista plástica Joana Vasconcelos, que ocorreu no dia 01/03/10, no Centro Cultural de Belém, tendo o Badaladas enviado o próprio Director do Jornal.

Na declaração aos jornalistas ocorrida no local, à primeira e única pergunta feita pelo Badaladas, “quanto é que custa?”, por mim foi dito que teríamos que equacionar três valores: o valor da obra atribuído pela Artista que é de € 300.000,00, o valor de aquisição pela Câmara Municipal que não estava em condições de revelar, a pedido da Autora, mas que é muito inferior ao valor da obra e, ainda, o valor dispendido pela Autarquia que será inferior ao valor da aquisição, pois estamos a negociar o patrocínio da peça com duas instituições nacionais.

Fácil é concluir ser errada e falsa a informação que “Senhor Vinho custa 300 mil euros”.

Mais grave ainda, é não se tratar de um lapso ou de um erro de interpretação, pois o Sr. Director tem consciência que esse não é o valor de custo da escultura para a Câmara Municipal, tendo agido e escrito de forma deliberada.

Lamento que o “Badaladas”, neste caso, e por intermédio do Sr. Director, não tenha cumprido a sua função de informar as pessoas, nomeadamente os torrienses.

Por último, um reparo, uma informação e uma sugestão.

O reparo pelo facto do Sr. Director tendo estado na inauguração da exposição da Joana Vasconcelos, que será certamente um dos acontecimentos do ano no mundo das artes plásticas em Portugal, não tenha dedicado uma palavra, uma letra sequer, ao currículo da Artista e ao seu percurso internacional, o que revela o espírito e propósito da peça (des)informativa.

A informação, é que ao contrário do que é dito no artigo, a Câmara Municipal não se adiantou a ninguém na aquisição do “Sr. Vinho”.

A Câmara Municipal convidou a Joana Vasconcelos a apresentar proposta de uma obra de arte para o Mercado Municipal, tendo a mesma respondido através de dois projectos, onde se incluía o “Sr. Vinho”, sobre o qual recolheu a escolha.

Depois de negociado o valor da aquisição, em condições verdadeiramente excepcionais para a Câmara Municipal, a escultura foi produzida para Torres Vedras, ficando prevista a possibilidade de vigorar na exposição do CCB, caso ficasse pronta a tempo.

A sugestão, é que visitem a exposição da Joana Vasconcelos no Centro Cultural de Belém, onde encontrarão um percurso muito coerente e quase sempre divertido pelas obras da Artista e, à entrada e/ou à saída, vejam o “Sr. Vinho” que está no Jardim das Oliveiras, sendo já um pedaço de Torres Vedras em Lisboa.

Numa altura em que a pressão sobre os órgãos de comunicação social está na ordem do dia, faço questão de pessoal e publicamente dar conta do que considero uma desinformação, não para pressionar quem quer que seja, mas tão só para repor a verdade.

Ao “nosso” Badaladas, mas muito especialmente ao Sr. Director, apresento os meus votos sinceros de melhor (in)formação".

Carlos Manuel Soares Miguel
(Presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras)
5 de Março de 2010.

Entretanto surgiram no facebook dois movimentos:
Um contra aquela iniciativa , intitulado “300 Mil Euros por um Garrafão … não”e que justifica a sua iniciativa com os seguintes argumentos:

"Num cenário de profunda recessão em Portugal, motivada por uma crise económica que fez a taxa de desemprego e o défice dispararem para níveis históricos, e onde cada dia mais Portugueses e Portuguesas ficam sem emprego, esta tende fazer verdadeiros milagres para assegurar a sua subsistência, onde também deve ser dado um exemplo por parte dos nossos governantes, que incentive a recuperação económica e ponha fim ao despesismo, o Presidente da CMTV propõe-se a gastar mais de 300 mil euros num garrafão. Não pondo em causa a qualidade artística do mesmo, e verdade é que existem muitas outras prioridades neste nosso concelho.
O Presidente da Câmara não colocou o assunto à consideração da vereação, nem sequer o referiu em Assembleia Municipal, optando, antes, por agir por sua livre iniciativa".

… outro de apoio, intitulado “Eu sou fão do garrafão”.
Deste último transcrevemos um “post” da autoria de Alfredo Reis:

2Grande polémica que anda aí por Torres!
Só me apercebi disso ontem (o Badaladas chega-me à 3ª feira).
Tentei, através dos grupos de fãs do Facebook perceber o que se passava.
Pelo que me parece, o que está em causa não é a qualidade artística da peça ou a capacidade da sua autora. Não tenho sequer conhecimento ou sensibilidade suficientes para poder dar uma opinião definitiva sobre qualquer uma delas (obra e autora).
Não sou daqueles que, pelo facto do país se encontrar na complicada situação que todos conhecem e reconhecem, acha que não se deve investir em mais nada e que não há mais vida para além do combate à crise.
Não! O investimento em arte é pedagógico e aconselhável”.

A polémica continua…

4 comentários:

Méon, disse...

Vem a propósito o que disse o filósofo José Gil numa entevista ao Público na passada Quarte-feira:
"Há uma inteligência que só a arte nos dá e que é fundamental"

Anónimo disse...

Já que foi buscar as afirmações de Alfredo Reis, é assim que elas continuam:

Agradeço a informação. Já vi o video mas fiquei pouco mais esclarecido do que estava. Por um lado, não fica claro se os 149.000 € são pré ou pós mecenas. Aliás, acho que o Sr. Presidente nem fala nisso. Depois, é dito muito claramente na reportagem que o valor é abaixo dos 150.000 € só para que possa ser adquirida por ajuste directo, isto é, em bom português, para não dar cavaco a ninguém (o que só vem dar razão aos argumentos do Paulo Bento nessa mesma reportagem).
Para além disso, só fiquei esclarecido que os dinheiros saem do orçamento da Cultura mas fiquei sem saber concretamente em vez de quê. O que percebi é que, nesse mesmo orçamento não estava nada disto previsto.
Um abraço, amigo.

Anónimo disse...

E antes no mesmo facebook, tb por Alfredo Reis:

Alfredo Reis No entanto, pelo que li, ainda não vi, até agora, ninguém questionar o que, neste caso, importa mesmo ser questionado:
1º - Qual o valor exacto do investimento municipal? Já percebi que o valor da peça é de 300.000 € mas que a artista faz um desconto, não sei bem porquê, e que há mecenas que vão ajudar a pagar o investimento. O que ainda não li foi qual a verba exacta que o mesmo vai custar à Câmara. E isso importa saber!
2º - Estava este valor inscrito em Orçamento para 2010? Se sim, assunto encerrado e parabéns ao Executivo Municipal. Se não, esse mesmo Executivo vai, com certeza, ter que explicar qual o investimento previsto em Orçamento que vai ser sacrificado na execução deste ano.
Estes são os assuntos que realmente interessam. O resto, são as opiniões de cada um, todas elas legítimas, diga-se.
Há outra questão que poderá ser analisada, mas que eu não o vou fazer agora nem aqui, que tem a ver com a coragem, a raiar a loucura, do Executivo Municipal para dar este passo tão impopular e "politicamente incorrecto", atendendo aos tempos que correm.... Ver mais
Pessoalmente, o que verdadeiramente me entristece é o garrafão estar vazio...
Cumprimentos a todos,
Mima

Anónimo disse...

Não percebi bem se o comentário de "Meón" é cínico/irónico ou sincero ???